sábado, 26 de abril de 2008

CRASE

Do grego, krásis, é a fusão entre a preposição a com:

a) artigo definido feminino a ou as
b) pronome demonstrativo a ou as
c) o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo
d) a letra a antecedente do pronome relativo a qual (quais)

A representação da crase é: à ou às. Esta chama-se acento grave indicativo de crase.

Para aplicar corretamente a crase, em regra geral, é preciso saber se o termo regente aceita a preposição a e o termo regido aceita o artigo a.

Observe:
a) Eu obedeci à professora.

TERMO REGENTE: obedeci (verbo) - Quem obedece, obedece a alguém - REGÊNCIA VERBAL
TERMO REGIDO: a professora (palavra feminina)

Neste exemplo, o verbo obedecer exige a preposição a. Além disso, temos de analisar se a palavra que vem depois aceita o artigo.

Veja a frase abaixo:
A professora é bonita. (aceita o artigo A)
A palavra professora é feminina e aceita o artigo, portanto aplica-se a crase na frase Eu obedeci à professora.

b) É homem propenso à colera.

TERMO REGENTE: propenso (nome) - Quem é propenso, é propenso a alguma coisa - REGÊNCIA NOMINAL
TERMO REGIDO: a colera (palavra feminina)

Como no exemplo anterior, o nome propenso exige a preposição a e colera é uma palavra feminina que aceita o artigo a. A diferença entre os dois exemplos é o tipo de regência.
Visto este início, pode-se concluir que, na maioria dos casos, a CRASE está ligada diretamente à REGÊNCIA. Esta é, portanto, o modo pelo qual um termo rege outro que o complementa.

A crase pode ser:

* obrigatória
* facultativa
* proibitiva


CRASE OBRIGATÓRIA

1) Se, na troca da palavra feminina por uma masculina, aparecer antes a contração AO (A-prep.+O-art.), a crase será obrigatória.

O fumo é prejudicial à saúde (a + a)
Trocando-se a palavra saúde por uma masculina ...

O fumo é prejudicial ao organismo (a + o) - Aqui fica mais fácil identificar a presença do artigo.

ATENÇÃO!! O a no singular que antecede nome no plural é apenas a preposição e, portanto, não pode ser acentuado.

A lei não se referia a pessoas idosas

Para que o acento ocorresse a frase deveria ser:

A lei não se referia às pessoas idosas (aos homens idosos)

2) Com topônimos (Nomes próprios de lugares)

Use o seguinte artifício para detectar a presença do artigo:

SE ESTOU NA ...
OU VOLTO DA ...
PODE HAVER CRASE NO A (DEPENDE DA REGÊNCIA)

SE ESTOU EM ...
OU VOLTO DE ...
CRASE PRA QUÊ

Vou à Bahia (O verbo ir pede a preposição a, e a Bahia aceita o artigo feminino a - Estou na Bahia) (em + a = na)

Agora... Vocês ainda conhecerão a Itália (Neste exemplo, existe o artigo a - estou na Itália, mas não existe a preposição a porque a regência do verbo conhecer não pede preposição - Quem conhece, conhece alguém ou algum lugar)

Vou a Roma (Aqui, existe a preposição, mas não existe o artigo - estou em Roma)

Mas se a cidade tiver modificador:

Vou à Roma dos Césares

3) Nas locuções adverbiais - à direita, à esquerda, à força, à vontade, à mesa, etc.

Observe:

Sentar-se à mesa significa sentar-se ao redor dela.
Sentar-se na mesa signica sentar-se em cima dela.

O acento é opcional nas locuções adverbiais de meio ou instrumento: (Assunto polêmico entre os gramáticos)
Barco a (ou à) vela, Escrever a (ou à) mão, repelir o invasor a (ou à) bala. (A tendência é pelo uso da crase)

Deixa de ser optativo para evitar duplo sentido:

Feriu o rapaz a faca (a faca = sujeito) - seria a mesma coisa dizer: A faca feriu o rapaz
Feriu o rapaz à faca (à faca = adjunto adverbial de instrumento) - foi ferido com a faca

4) Nas locuções prepositivas - à espera de, à procura de, à frente de, etc.

Ficamos à frente do grupo.
Quando as locuções prepositivas à moda de ou à maneira de ficam subentendidas, ocorre a crase normalmente:

O mestre-sala vestia-se à Luís XV. (= à moda de Luís XV)

5) Nas locuções conjuntivas - à medida que, à proporção que, etc.

Progrediremos à medida que trabalharmos.

6) Na contração da preposição a com um dos pronomes demonstrativos a, aquele(s), aquela(s), aquilo.

Sempre dou conselhos àquele rapaz (a + aquele) - Quem dá, dá alguma coisa (conselhos) a alguém (aquele rapaz).

Não estou falando de todas as jovens; refiro-me à que você namora.

ATENÇÃO!! Para saber se o a é pronome demonstrtativo tente substituí-lo por aquele, aquela ou aquilo.

Não estou falando de todas as jovens; refiro-me àquela que você namora.
7) Com o pronome relativo A QUAL

Essa é a pessoa à qual fiz referência (Quem faz referência, faz referência a alguém) - a + a qual

Mas observe:

Essa é a pessoa a que fiz referência (O a desta frase é apenas preposição)

Com o pronome relativo que, para haver crase, deve existir o pronome demosntrativo antes.

Observe:

Essa caneta é igual à que perdi ontem (igual àquela que perdi ontem) - a + a(ou aquela) + que

Um método prático para detectar a presença da crase neste caso: trocar o antecedente por palavra masculina. Se o A virar AO, existe a crase.
Esse chapéu é igual ao que perdi ontem (a-prep. + o-pron. dem.)

Conheço a história a que se referem (sem crase)
Conheço o caso a que se referem (não apareceu ao)

8) Com a palavra HORA, quando indica o momento exato em que ocorre alguma coisa:

O trem chegou à estação às 18 horas.

9) Com a expressão à distância de, seja ela determinada, precisa ou não:

Achava-me à distância de cem metros do local do crime
Os bombeiros permaneceram à distância de 50 metros do incêndio
Paramos à distância de alguns metros do riacho

Não haverá a crase se o verbo não pedir a preposição:

Motoristas, matenham a distância de 20 metros entre os veículos.

Quando se trata da locução adverbial a distância (indeterminada), é opcional o uso da crase: (Muitos escritores ora acentuam, ora não acentuam. Não existe um consenso.)

"É necessário vê-los a distancia." (GRACILIANO RAMOS)
"Pedras de gamão estavam à distância." (GRACILIANO RAMOS)

CRASE FACULTATIVA

1) O uso do artigo fica facultado antes dos pronomes possessivos. Assim, se houver a preposição, a crase é facultativa.

Referiu-se a minha viagem ou
Referiu-se à minha viagem.
Observe que o verbo pronominal referir-se pede a preposição a e, com relação ao artigo, posso formar dois tipos de frase:

Minha viagem é hoje ou
A minha viagem é hoje.
Observe que posso ou não usar o artigo.
Mas antes de possessivos acompanhados de nome de parentesco, não se usa o sinal indicativo de crase:

Dei isto a sua mãe.

2) Antes de nome de mulher.

Observe também, neste caso, que podemos formar frases com ou sem o artigo + nome
de mulher.

Posso dizer:

Juliana é feia ou
A Juliana é feia.

Quanto à preposição, ela depende da regência.

Posso dizer:

Direi isso a Juliana ou
Direi isso à Juliana.

REGÊNCIA DO VERBO DIZER: Quem diz, diz alguma coisa (isso) a alguém (Juliana)
3) Antes da preposição ATÉ, mas podemos usar também a locução ATÉ A. Se a palavra que vier depois for feminina, pode haver a crase.

Irei até a chácara ou
Irei até à chácara. (Irei até os limites da chácara)

Se compararmos com uma palavra masculina:

Irei até o sítio ou
Irei até ao sítio. (Irei até as imediações do sítio)

Na maioria dos casos, deve-se utilizar sem crase. A crase só cabe pra evitar ambiguidades.
Os garimpeiros danificaram todo o rio até à nascente. [Sem o acento grave, poder-se-ia entender que os garimpeiros danificaram inclusive a nascente]

Até a = Indica inclusão.
Ate à = Indica limite, isto é, exclusão.

4) Antes destes nomes próprios de lugares: Europa, Ásia, África, França, Inglaterra, Espanha, Holanda, Escócia e Flandres.

Fui a (ou à) Europa o ano passado.

CASOS PROIBITIVOS

1) Antes de palavra masculina:

Ele gosta de andar a cavalo.

2) Antes de substantivo tomado em sentido genérico ou indeterminado:

Elisabete não vai a festa, a reunião, a parte alguma.

Observe, por exemplo, que não está sendo determinada festa alguma, portanto fica-se sem o artigo definido feminino. Neste caso, só exite a preposição.

3) Antes do artigo indefinido uma (Por quê? Deixe seu comentário aqui com sua resposta)
Dirigi-me a uma pessoa da platéia (Aqui só existe a preposição a exigida pelo verbo)

4) Diante da palavra casa no sentido de lar, domicílio, quando não acompanhada de adjetivo ou locução adjetiva

Voltamos a casa tristes (vim de casa - não existe o artigo)

Acompanhada de adjetivo ou locução adjetiva:

O filho pródigo voltou à casa paterna (vim da casa paterna - existe o artigo)

5) Antes da palavra terra quando antônima de bordo

Os tripulantes do navio ainda vieram a terra.

Fora desse caso:

Aves voavam rente à terra.

6) Antes de todos os pronomes que não admitem artigo (a maioria dos indefinidos e relativos e boa parte dos demonstrativos)

Não estou fazendo alusão a nenhuma das pessoas presentes.
Esta é a vida a que aspiramos.
Dei a esta moça o melhor presente.

7) Antes de verbo

Estamos dispostos a colaborar (não existe o artigo)

8) Diante de nomes próprios que não admitem o artigo

Rezamos a Nossa Senhora todos os dias.

9) Nas locuções formadas com a repetição da mesma palavra

Tomou o remédio gota a gota
Estavam frente a frente

CONSIDERAÇÕES FINAIS:
Na maioria dos casos, observe estes dois tópicos abaixo:

* Observe sempre a regência que ocorre na frase. Para que exista a possibilidade de ocorrência de crase, o termo regente (verbo ou nome) deve exigir a preposição a.

* Para que o artigo a ocorra, a palavra tem que ser feminina. Tente formar uma frase começando com ela e veja se o artigo aparece:

É um favor que peço à senhorita (Quem pede, pede alguma coisa a alguém e a palavra senhorita permite o artigo porque posso formar uma frase começando com aquela onde este aparecerá: A senhorita é linda!!)

Solicito a Vossa Senhoria o obséquio de anotar nosso endereço (Quem solicita, solicita alguma coisa a alguém, mas a frase não admite o artigo. Formando a frase: Vossa Senhoria está cansada?)

Para saber quais são os termos regentes que aceitam a preposição a, estude as regências nominal e verbal em http://portuguesnaveia.blogspot.com/2008/05/regncia.html.


26 comentários:

bizuita disse...

ESte blog está muito bom. Aqui podemos adquirir conhecimento e relembrar coisas da nossa língua que muitas vezes esquecemos. Moisés, vc está de parabéns!!!!
Vale lembrar das enquetes, que são "pegadinhas" inteligentes. Muito bom mesmo... um abraço B

Anônimo disse...

Este blog é ótimo,
Parabéns !!!
Essa texto sobre CRASE esta de acordo com a nova ortografia?

O blog é excelente !

Moisés disse...

O assunto CRASE Continua do mesmo jeito. Pode estudar sem medo e fazer questões sobre o assunto. Esse é o segredo. Dedique-se a fixar um assunto de cada vez para conseguir dominá-lo. Qualidade de estudo é importante.

Anônimo disse...

Este blog está com uma linguagem simples, objetiva e de fácil entendimento.
Excelente...
Valeu pela sua contribuição
Um abraço!

marcosladarense disse...

Fantástico esse estudo seu sobre crase. Está até melhor q do livro Gramática para concursos, do professor Marcelo Rosenthal.
Deus lhe abençoe muitíssimo por estar ajudando a todos nós q queremos vencer profissional e financeiramente, ou a todos os outros q apenas são amantes do idioma pátrio e querem aprender a se expressar melhor e de maneira correta.

marcosladarense disse...

A lâmpada a cuja volta estavam mariposas a voar,emitia luz _____ grande distância.
Essa é uma questão de crase do pci concusos.
O espaço deve ser preenchido com A sem acento. Mas o emitir acho q é vtd e "grande distância" adj. adv. Então o A deveria ter crase?

marcosladarense disse...

Eu vi o estudo de crase do pci, e lá está diferente do seu. Consta q antes da palavra distância:
Não se usa crase, salvo se vier determinada.
a) Via-se o barco à distância de quinhentos metros (determinado).
b) Olhava-nos a distância.

Mas eu queria saber o q as bancas cobram afinal. O livro do Marcelo Rosenthal não aborda esse ponto.

Moisés disse...

Meu caro Marcos;
Se você observar bem, não está diferente. É isso que o meu blog diz. A diferença é que no meu blog você está vendo que não existe um consenso entre os gramáticos na hora de aplicar ou não a crase quando a palavra distância não está determinada.
Resumindo:
Quando determinada, CRASE.
Quando indeterminada, não existe um consenso, mas a maioria não aplica a crase neste caso. Acho que é isso que as bancas vão exigir: crase somente quando a palavra distância estiver determinada. Observe com carinho o blog que você vai ver que digo isso lá.

Moisés disse...

Com relação à questão do PCI, observe que distância não está determinada. Grande é adjetivo. Portanto, sem crase.

A lâmpada a cuja volta estavam mariposas a voar,emitia luz A grande distância.

Anônimo disse...

Adorei ....tirei algumas dúvidas ...obrigada!

marcosladarense disse...

Moisés, pq a expressão vale a pena ñ possui crase?

marcosladarense disse...

Moisés, pq a expressão vale a pena ñ possui crase?

Moisés disse...

"Valer a pena" é uma expressão onde o verbo valer não pede preposição por ser transitivo direto. Sendo assim, sem crase.

Reinaldo disse...

com o uso da preposição ATÉ na frase
vou até à chácara não está errado?
no masculino,vou até ao sítio dói os ouvidos.
não seria correto dizer apenas vou à chácara ou vou ao sítio?ou então sem crase,vou até a chácara e vou até o sítio?

Moisés disse...

Reinaldo, na maioria dos casos, você está certo, mas existem casos em que se aceita a crase em "até à..." para evitar ambiguidades, como na frase:

Os garimpeiros danificaram todo o rio até à nascente.

Isso significa dizer que os garimpeiros danificaram até o limite da nascente. Exclui-se a nascente. Se fosse sem crase, a nascente estaria incluída, ou seja, também seria danificada.

Moisés disse...

Reinaldo, parabéns pela participação. Já acrescentei o conteúdo que faltava para que os leitores tenham um melhor entendimento.
Obrigado.

Reinaldo disse...

Moisés,você me dizer obrigado seria como um rei se curvar aos súditos,eu que lhe devo agradecimentos, pois estou aprendendo muito com você.
MUITO OBRIGADO MESMO,QUE DEUS ILUMINE SEUS PASSOS.

Kátia Regina disse...

Gostei muito do blog... mas preciso de mais esclarecimentos com o pronome de tratamento da seguinte frase: Ele fez uma prece a Nossa Senhora.
E assim te pergunto. Tem ou não tem crase ??
Agradeço desde já.
Kátia Regina

Equipe Tesla disse...

Em relação ao não uso da crase antes da palavra "uma", creio que seja porque uma já é um artigo (indefinido) e adicionando "a" usaríamos dois artigos (um definido e outro indefinido). Isto não acontece na nossa língua. Creio,portanto, que seja por isso.

Se estiver errado, me corrija, por favor.

Att,

Álax Oliveira

Álax Oliveira disse...

Olá Moisés, como vai? Gostei muito desse blog também! Muito funcional, principalmente para o pessoal que tem feito muitos concursos.

Quanto ao uso de "a" craseado antes da palavra "uma", creio que não usa-se porque uma já é um artigo indefinido. Se usarmos "a" com crase antes, estaríamos utilizando dois artigos (um definido e outro indefinido), o que não se aplica na nossa língua - eu penso.

Corrija-me se estiver errado.

Att,

Álax Oliveira

Álax Oliveira disse...

Moisés, quero tirar uma dúvida:

Nesse exemplo, usa-se "a" craseado:

"Os estudantes conscientes podem ir a escola de bicicleta." ?

Abraço,

Álax

Moisés disse...

Kátia, como cito neste artigo sobre crase, Nossa Senhora não aceita artigo, portanto não tem crase.

Exatamente, Álax Oliveira. Ou o artigo é definido ou indefinido. Você está certo. Sem crase.
A frase que você colocou aqui no blog tem crase: "Os estudantes conscientes podem ir à escola de bicicleta."

Observe que "podem ir" pede a preposição "a" e "escola" é palavra feminina que aceita o artigo "a".

É sempre um prazer ajudá-los. Quando passarem ou acertarem algo que viram estudando por aqui, escrevam um comentário. Servirá de incentivo aos outros concurseiros.
Abraço a todos.

Anônimo disse...

otimo esse site,explica tudo bem direitinho

Anônimo disse...

Vlw, ajudou muito aki!!
Um abraço!!

Anônimo disse...

olá queria uma ajuda pra formular um recurso contra uma questão de prova que diz asim:considerando a norma padrão o período:E seu vício afeta também as pessoas ao redor.
a questão disse que:no lugar de ao redor, poderia ser empregada a contrução: as quais estão ao redor. quando troca a palavra feminina pela masculina e aparecer ao redor a crase não é obrigatória? me ajuda!!

Moisés disse...

Se você trocar o pronome relativo, a preposição não aparece, observe: E seu vício afeta também as pessoas que estão ao redor. Se houvesse uma simples substituição desta locução por uma feminina (...afeta também as pessoas à direita), haveria a crase, mas não foi isso que aconteceu. Trocou-se a locução por uma oração adjetiva onde as quais é pronome relativo sem presença de preposição.
Espero ter ajudado.